segunda-feira, 20 de julho de 2009

DEPOIS DA PAUSA

Depois da pausa mais-do-que-necessária pras festas de julho e toamr o máximo de birita no menor espaço de tempo possível e, conseqüentemente, ficando completamente chapado, aqui tem mais um poeminha incompleto!
Fuckin enjoy!
[sem título]
Tirei seus sorrisos para fazer deles meus.
Eu vendi minha alma apenas para esconder-me da luz do sol.
E agora vejo o que eu realmente sou,
Ainda não descobri o que é, ainda tento compreender a visão.
Eu corro para seus braços para (tentar) enfim fugir deste inferno,
Gritar seu nome (desistindo de tudo, entregando os pontos por tudo),
Eu te vejo lá (caso ainda esteja está), bem longe.
Eu sou inexistente para você – inexistente e surdo e cego.
Você me deu tudo, menos o motivo
Eu estendo minhas mãos para alcançar, mas eu sinto apenas a brisa congelante da noite
Não é você, nem amor, simplesmente nada.
Tentei e tento esquecer você todo maldito dia,
Mas já passei da fase “sem você, eu não sinto nada”.
Se deixares-me aqui, sozinho,
Eu ainda posserei respirar.
Eu rastejo para seus braços para (tentar) enfim fugir deste inferno,
Sussurrar seu nome (desistindo de tudo, entregando os pontos por tudo),
Eu te vejo lá (caso ainda esteja está), bem longe.
Bem longe
longe
longe
longe
longe.
:: 28 de novembro de 2004 ::
:: escrito durante uma aula de Literatura ::

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!