domingo, 12 de julho de 2009

SEM TÍTULO E INCOMPLETOS FAVORITOS - parte um

ALGUNS SEM TÍTULO E INCOMPLETOS FAVORITOS


[sem título]
Mil cigarros acesos para lamentar sua partida:
Tristeza e pesar
e imensurável lamentar!
Janelas fechadas
Portas trancadas
as lágrimas usam granadas e morteiros
para poderem sair!
Impossível aceitar!
:: não lembro quando escrevi ::


[sem título]
Eu estou com meus amigos por aqui
Esperando amanhecer.
Jesus Cristo não vai chegar
Então ficamos por aqui para ver o que
O que vai acontecer.
Infelizmente não tem garotas por aqui
E a bebida e os cigarros sempre
Parecem estar no fim.
Para onde nós vamos daqui quando a bebida terminar?
Se o cansaço e a má-vontade permitirem
Paradeiro: qualquer lugar
Para onde sem dinheiro e com a cara e a coragem?
Bebendo as últimas doses
Fumando as últimas bitucas
Falando sobre a vida
:: não lembro quando escrevi ::


[sem título]
É muito difícil ver o mundo desabar ao seu redor
E não querer se matar.
O mundo caindo numa espiral descendente
E tudo dar errado
Fazendo você chorar.
Implodir e explodir e se decepcionar diariamente
Se despedaçar e se desmontar se, se remontar exponencialmente.
Sem sol e sem horizonte para admirar
Não preciso
E procurar e encontrar esperança pra continuar.
Não preciso te dizer que sei como você se sente
Porque eu também já me senti assim
O mundo correndo com uma canção de grindcore ou de hardcore
Cada vez mais próxima do iminente fim.
:: não lembro quando escrevi ::
:: para Aline da Conceição Cardoso ::


[sem título]
Talvez o mesmo final de tarde aqui
Possa ser o mesmo pôr-do-sol aí em Juruti.
Eu não posso ir ate lá nesse belo final de tarde
Onde o sol se mostra belo
E permanece depois do fim e durante a chuva.
Mas eu não posso ir até o sol
Mas eu vou ter que ficar só
Até você voltar ______ Se você voltar.
Esperando você voltar ______ até minha paciência acabar.
Só pra te avisar:
A saudade já começou a me afetar
Minhas estruturas já começaram a fissurar
Cedo ou tarde, em rachaduras vão se transformar.
Eu não quero nem pensar
No que vai acontecer ______ quanto tudo isso desabar.
(Ônibus não podem me levar até você)
Eu não tenho dinheiro para passagens de avião
Não sei quais são os caminhos que ficam dentro dos rios
Pra chegar até onde você está.
Enquanto cartas e pensamentos existirem
Eu não estarei completamente longe de você.
Talvez eu tenha mesmo que me anular e me negar
Para finalmente poder estar junto com você.
Sem palavras feias, protesto, violência ideológica ou verbal,
Nada de cigarros, cachaça ou cerveja e agir como animal!
Eu não vou gostar, mas se depende disso pra gente continuar
Vou me negar, sem gritar, espernear ou fazer cara de quem vai vomitar!
:: fevereiro e março de 2003 ::
:: para Graciara Hiroko Vieira Kobayashi ::

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!