sexta-feira, 4 de setembro de 2009

ALEGORIA AO SILÊNCIO

No final das contas, teve uma coisa boa das aulas da UFPA terem voltado. Confirmando o que eu disse na postagem de ontem, agora ‘tô voltando a escrever poesia a torto e a direito (Frau Steffen que o diga – já devo ter escrito uns três poemas só na aulas dela, de segunda-feira pra cá!). O poema abaixo foi escrito hoje de manhã, durante a aula de Teoria do Texto Poético, de Frau Giselle, de hoje de manhã, lá na UFPA.
Enjoy!

ALEGORIA AO SILÊNCIO
Quem consegue ouvir o silêncio
Da bomba que cai do bombardeiro
Antes de alcançar o alvo
E esmigalhar o todo?
E quem consegue ouvir
Quando o projétil é disparado do cano
E perfura o alvo
Sendo pedra ou kevlar ou aço ou carne?
E quando a lâmina é desembainhada
E dilacera a carne
Em um corte perfeito?
E a flecha solta do arco
Atravessando metal e soldado?
E a lança voando como uma ave
Prestes a se tornar una
Ou com um escudo ou com um crânio?
E o morteiro sendo parido do céu
Pronto a desmembrar despreparados?
Os tambores e as flautas e as canções
Ressoando para intimidar os do outro lado?
Quando a cabeça é posta na cabeça da lança
Significando júbilo?
E os cadáveres e casas alimentando fogueiras?
E as lágrimas rolando pelos rostos
Junto com uma das servas de Thor
Querendo dizer mais do que Tristeza?
Eu não ouço o silêncio que existe
Quando o casal de ele e ela
Se torna uno
E quando pares de lábios
Se tornam um par.
Se existe realmente
A beleza do silêncio no amor
Imaginem no belicismo...!






Lendo: Introdução à Lingüística 2: princí­pios de análise, da Editora Contexto, de 2004, com textos de José Luiz Fiorin, Ana Müller, Ana Schöer, Antonio Vicente Pietroforte, Diana Vicente de Barros, Esmeralda Valiati Negrão, Evani Viotti, Ivã Carlos Lopes, Magarida Petter, Paulo Chagas e Raquel Santos, organizados pelo próprio Fiorin. Na postagem eu comentei em Canção Para Mayumi que até estava lendo o Introdução à Lingüística 1: Objetos teóricos. Agora é este!
Estudantes de Letras – comam este com açaí e farinha de tapioca!



‘til the fuckin new post!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!