quarta-feira, 10 de novembro de 2010

DIENSTAG! [2]

São 18:41 e eu acabei de tomar um bom banhoso daqueles depios de puxar um bom roncoso daqueles. Finalmente, depois de um chá de boldo melhor do universo que meine Mutter fez pra mim antes deu ir pra UF, a maldita diárreia provocada pela bebedeira de sexta-feira e domingo último se findou de modo espetacular. “Finally the shades RAISED”.

O trabalho de MSLA? Fueda-se e fueda-se-de-novo-só-que-agora-com-farinha-pra-fazer-ração-pra-porco, eu já fiz e já tive trabalhos melhores. No final, acabei me enrolando para caralho mesmo, enrolando o professor e ainda tive que contar com “o grande resto da minha equipe” (Ana Claúdia e Carmem) pra terminar de me ajudar a tomar no cu. O caso é que, próxima quinta, vai ter prova de proficiência de LEI: Língua Inglesa, que vou ter que fazer logo na aula de MSLA.

A propósito, esta é a postagem 599, antes da 600 (a 500ª foi de abril deste ano!). Serão SEISCENTAS postagens desde a primeira, Inaguration!, de 15 de dezembro de 2004. é pouco, considerando que tem blog mais novo, porém com mais de mil, duas mil postagens, por aí (vou cortar meu pau só porque meu blog tem menos posts do que os desses desocupados mórbidos em questão? não, obrigado!).



Mas eu não ia falar somente disso.......... E, sim, sobre...................
Faz mais de uma década, doze anos talvez, por aí, eu não me lembro muito bem de quando foi, mas sim exatamente do que foi. Foi justamente primeiro com a Kat (ver ich vermisse Sich...) e depois com a Professora Luíza (ver Dia Perfeito) e o tema foi sobre: dar esmolas.
Alguém disse em algum lugar faz muito tempo que só se dão esmolas se estas forem dadas de coração aberto. Eu não discordo. Foi exatamente sobre isso que tratei com Kat e Frau Santana – que eu não consigo mais. Eu olho, meu coração aperta, mas, caralho, não consigo, cara. Meu coração simplesmente fechou pra isso de uma forma que eu não consigo explicar.
O que não falta por aí é desabrigado que, conseqüentemente, não tem onde dormir além de debaixo do céu e nem o que comer. São muitas histórias de como estas pesoas chegaram onde estão? Sim. Mas....... O que me dói na alma é que, pra mim, eu não gostaria somente de dar uma esmola, mas de poder ajudar de forma pesada e real e imediata mesmo. ‘Tá legal, dar um dinheirinho pra comprar algo pra comer. O.k. Mas vai comer mesmo? Não vai comprar cola, cachaça ou algum outro tóxico? Isso-me-angustia-para-caralho, mesmo eu não demonstrando.
Todavia, o caso é...... Ach, eles devem consumir isso justamente pra não sentir mais fome e/ou frio e/ou justamente esquecerem que estão nesta condição. Eu não posso afirmar nada sobre isso.

Tem uma graphic novel escrita pelo Paul Dini e desenhada pelo Alex Ross para a DC Comics chamada Super-Homem: Paz na Terra (eu falei por alto sobre as obras feitas por essa dupla em Melancolia Absoluta, de 21.03.2005) que, no final, tem uma passagem (que, me desculpem, eu não sei qual é a fonte) que eu lembro perfeitamente até hoje: “Dê um peixe a um homem que ele terá comida por um dia. Ensine um homem a pescar que ele terá comida pela vida inteira”.

Como isso se aplica ao que estou discorrendo? É justamente não tratar deste problema dos desabrigados com soluções paliativas, e, sim, definitivas. Tirá-los das ruas e não colocá-los em albergues, mas dar-lhes condições dignas de vida.
Mas, sei lá, acho que ‛tô viajando demais e falando muita merda, dando voltas em torno do próprio rabo até não chegar a lugar algum. Mas é esse o ponto de vista que eu tenho sobre esse assunto e já estava cansando de ficar remoendo-o e não falar nada. O caso é que eu nem sei para onde olhar para começar a fazer alguma coisa em questão. Não faço nem idéia do que COMEÇAR a fazer para começar a fazer algo a respeito.
Uma coisa que me deixa meio que MUITO PUTO em relação a isso é a posição que os animais dos Direitos Humanos tomam em relação aos desabrigados e aos criminosos e os não-criminosos e os não-desabrigados. Criminoso pode roubar, matar, estuprar, arrombar e a puta que pariu toda. Quando meio mundo vai em cima do maldito, lá estão os Direitos Humanos pra assegurar os direitos do cara para que ele tenha a devida punição pra um “ser humano digno”. Ãhã. Sei. Quanto a desabrigado e não-criminosos e os não-desabrigados, cadê esses caras? Hum-hum. Grande (des)serviço prestado à sociedade, não? “Todos iguais, e uns mais iguais que os outros”, não? É por essa e por outras muitas que eu não fico mais nem um pouco admirado quando neguim é linchado por ser pego assaltando/furtando/roubando. Não é apologia à violência – não mesmo! –, mas não é não-natural que um dia todo mundo se emputeça a tal ponto que simplesmente não faça mais nada a respeito. Eu já vi umas presepadas por aí que eu vou te contar.......
Basta ver os jornais por ai. No País todo. Não tem Unidade Federativa que isso não aconteça (e se você inventar de me dizer que existem UF’s onde não têm sem-tetos tanto na capital quanto no interior, eu vou bater com meu pau-ainda-mole só na tua cara!).


Esse assunto não acaba aqui e agora, mas, Égua!, vou terminar por aqui porque minha vista já começou a doer e eu preciso de óculos novos PRA ONTEM!




bis zu dem breakin fuckin neuen Post!
Postagem 600!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!