sábado, 19 de março de 2011

OUT OF THE CRADLE: ENDLESSLY ROCKIN!

Esta semana não me foi a melhor do mundo, mas tenho que admitir que me diverti bastante. Ontem tiveram umas coisas lá na UF que deu pra salvar o resto da “semana útil”.
Esta semana só assisti mesmo duas aulas (Entschuldigen Sie mir, Frau Steffen!): Prosa Germânica, ministrada por Herr Arnegger, e Compreensão e Produção Oral e Textual em Alemão, ministrada pela já citada Steffen. As outras, sinceramente, eu ‘tava sem culhões pra assistir! Herr Barroso, Frau Larissa e Frau Amaral que me desculpem, mas vocês ficam pra semana que vem!
Prosa Germânica (i.e.: PG). A matéria é do caralho, não posso duvidar. Mas agora a cobra vai fumar, porque Herr Arnegeer não vem mais de voadeira e sim com um Mjolnir na mão! E ele promete não ser o cara legal visto em Panorama da Literatura Germânica (1º semestre do ano passado) – aulas ministradas em língua alemã sem dó nem piedade. Segundas e quartas, das 07:30 às 09:10.
Compreensão e Produção Oral e Textual em Alemão (i.e.: CPOTA2). Frau Steffen é um amor de pessoa, mas agora ela veio com sua Coveleski* e não pretende deixar Titã sobre Titã. Falar e escrever tudo o que for possível em alemão. Pra quem foi com a maior má-vontade da face de Gaia, foi até uma grande surpresa eu ter metralhado e falado pra caralho na aula (e ter feito a pergunta que meio que quebrou as pernas da professora). Sextas-feiras, das 07:30 às 11:10.

Também começou o ÚLTIMO SEMESTRE do CURSO LIVRE! QUATRO horas de aula na SEXTA-FEIRA!
Eu dormi mal-para-caralho da quinta para a sexta e, depois daquela feijoada do poder lá do RU, eu praticamente pesquei mais da metade da aula. Foi só depois de eu ter feito uma pergunta sobre lingüística da língua alemã (não, não foi a mesma que fiz a Frau Steffen de manhã) que eu “acordei” de vez. Depois disso a aula transcorreu muito bem, diga-se logo. Vamos ver o que este semestre me reserva, ainda mais com Herr Sigurd Jennerjahn como professor e um “eu quero ser pego pra laranja” escrito com letras garrafais em néon no meio da minha testa!

Agora ‘bora farrear.
Lá fomos eu e Marco Antônio (tinha que ser!) comprar a primeira parte da bebida e toma-lhe-te cana! E olhe que ele ‘tava FUDIDO esta semana justamente por causa de bebida! Aconteceram umas coisas que não dá pra relatar aqui (mas que me deixaram muito do seu puto – namorada também serve pra isso, pra te deixar MUITO PUTO [e olha que eu gosto PRA CARALHO dela]). Sorte que a presença do pessoal compensou! Até o Jorge (sim, exatamente o do bar do Jorge – muito citado aqui em postagens do ano passado) deu as caras por lá! Depois, comprar mais bebida e tomar todas lá na Capela Universitária, toca cada um pro seu lado!
Tem uma coisa que eu ia comentar aqui sobre as presepadas não-contadas de ontem à noite, mas vou dar um post só pra isso antes do final do mês.


Conclusão da semana:
“A transição da literatura das tradições orais para a literatura escrita se deu de modo equivalentemente contrário ao abordado por Walter Benjamin em seu A Tarefa do Tradutor: da sonoridade para a mudez, criando assim o que Anatol Rosenfeld, em A Personagem de Ficção define como literaturaquaisquer palavras impressas em papel”.
[Acreditem se quiser, eu cheguei à esta conclusão enquanto lia o artigo “A Tarefa do Tradutor” e Seu Duplo: a Teoria da Linguagem de Walter Benjamin como Teoria da Traduzibilidade, – da Susana Kampff Lages –, no ônibus indo à UFPA, terça-feira de manhã (sim, no dia do post sobre o álbum mais recente do Matanza, comentado em Matanza Strikes Back Again!)! Pensem na ressaca MONSTRO com que eu estava quando tive este insight. Como o Alan disse: “é do tipo de epifania que só acontece quando se está bêbado e/ou mais dormindo do que acordado e não tem como anotar”.]



PRA TERMINAR:
Lendo:
A Floresta do Suicídio. Arte de Gabriel Hernandez e roteiro de El Torres. Do IDW Studios (sim, o mesmo de Metal Gear Solid, Zumbis vs. Robôs e Silent Hill: Morrendo por Dentro – comentados em Mais Quadrinhos! Mais Quadrinhos!). Tinha que ser no Japão e sua maior taxa de índice de suicídios do mundo. Eu achei o primeiro número do caralho (como tudo que já li do IDW) e recomendo. Achei no Gibiscuits. Baixe o seu clicando AQUI!

A Literatura Alemã, de Erwin Theodor, de 1980. Editora da Universidade de São Paulo, 189 páginas. Apesar de ser meio velho, este livro tem uma linguagem bastante acessível, dando um bom panorama da literatura de língua alemã até o ano da publicação. O que dá raiva é que, lendo essa obra, chego à conclusão de que não temos “o” livro FODÃO de literatura de língua alemã da origem aos nossos dias em língua brasileira, como o Curso de Literatura Inglesa, do Jorge Luis Borges, comentado em Tuesday Wars [5].

O Tempo Aprazado, com poemas da escritora austríaca Ingeborg Bachmann selecionados e traduzidos por João Barrento (por Gaia, olha este sobrenome!) e Judite Berkemeier. Editora Assírio & Alvim, 1992, da série Gato Maltês, 110 páginas. A coisa mais legal de uma edição bilíngüe (como esta) é ver como a sintaxe muda completamente do texto original para o traduzido. Lendo ao pé da letra é uma coisa, sentindo o poema para poder traduzir se torna uma quase que completamente diferente, caso o/a tradutor/a tenha uma certa habilidade para não mudar a mensagem do texto. São poemas que questionam o “porque de ser” e o “porque de estar” de forma bem simbólica, pouca coisa é dita diretamente – essa é a grande vantagem de Frau Bachmann. ‘Tô pensando n’um ótimo motivo pra fazer meu TCC em cima de alguma coisa dela (mas já tenho um ótimo motivo contrário, que consiste em uma só palavra: “QUADRINHOS”). E, eu odeio ter que admitir isso, mas é lendo obras assim que me dá mais vontade de ser tradutor de textos científicos, porque se for de beletrística, eu ‘tô mais do que fudido!




Agora vou me arrumar pra ir à casa do Pitts jogar aquele RPG. Depois de uma semana dessas, eu mereço, né?

*ler a HQ I Kill Giants, de Joe Kelly e Joe Ken Nimura, também comentada em Mais Quadrinhos! Mais Quadrinhos! para mais detalhes sobre Coveleski.

Um comentário:

  1. Rapaz, você fala demais...rss eu não exclui meu blog, apenas mudei o nome, e esqueci de comentar com as pessoas!! Mais ainda assim espero seus comentarios... beijos e queijos!!!

    ResponderExcluir

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!