quarta-feira, 18 de maio de 2011

escrito na aula?!? DESABAFO FERRADO!

SEM DESCULPAS FODIDAS
Eu devia lamentar por isso?
Pedir desculpas por meus erros... Por minhas palavras e atos.
Talvez eu fale e as pessoas não entendam
Muitas vezes as pessoas falam e eu não ouço e não entendo...!
Porque não dizem simplesmente “NÃO! NÃO DÁ!”?!?
E eu não deveria pedir desculpas fodidas
Não, eu não peço desculpas fodidas sobre toda essa merda...!
Existem tanto perguntas quanto respostas, e já estou cansado de procurar por todas elas.
Algumas vezes só sinto raiva, outras mais raiva do que medo ou mesmo mais medo do que raiva...!
Ontem eu tive o que mereci, você fala e faz o que não deve e o teto cai na sua cabeça!
Hoje de novo, não tão sutilmente, mas o que custa dizer “NÃO ROLA!”?
E tudo fica tão difícil de se encarar.
Quando você não alimenta esperança,
Você não fica realmente fudido quando ela não se torna real.
Meus amigos copos estão vazios
Meu amigo Rock and Roll está em silêncio
Mas minhas amigas Poesia e Frustração e Raiva estão aqui para me fazer companhia.
O professor fala e fala, eu não estou aqui
Eu não consigo parar de pensar nela - e pensar nas palavras que a amiga dela me disse no RU!
E então eu não peço desculpas fodidas por tentar
Nem peço desculpas fodidas por não conseguir!
Eu devia me sentir feliz ou triste pelas lágrimas que não rolam mais?
Não, eu tenho meus amigos e seus abraços...!
E se ela não me quiser, eu não tenho, não, não...
Amanhã é outro dia para novas frustrações
E eu não tenho que pedir desculpas fodidas por isto!

:: 18 de maio de 2011 ::
:: aula de Psicolingüística, Prof. Dr. Abdelhak Razky ::
:: “Muitíssimo Obrigado”: Aline Uslar (foi com a caneta dela que escrevi este poema) ::

Um comentário:

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!