quinta-feira, 5 de maio de 2011

UM, DOIS, TRÊS, VAI...!

Vamos falar do que ME interessa e a todos os leitores desta porra!

UM
Ontem foi dia de eu me foder terminando o trab de Psicolingüística pr’apresentar enfim e finalmente HOJE (e eu admito que eu só fui à uni por causa disso!) e aí que NÃO CONSEGUI APRESENTAR ESSA PORRA! Claro que fiquei, pra começo de conversa, extremamente PUTO DA VIDA com isso. Sorte que o trabalho já está terminado de vez e o professor gostou d’apresentação em slides que preparei pro trab em questão. Fora que também recebi uma péssima sobre E2A1 que nem convém dizer aqui de tão escrota que é (e tenho que agradecer pelos dois maiores bocas-duras que tem na minha classe da graduação por isso ter acontecido – obrigado por nada, miseráveis malditos!).
Ah, é. Eu não posso esquecer de dizer que o GUAXE salvou o meu dia e o do Tail nos dando praticamente uma das melhores informações do semestre! Realmente não esperávamos. Fiquem no aguarde que vou preparar um post especialmente pra essa notícia.
Valeu por essa, Seu Rato! E, de todo meu coração, não sei nem como COMEÇAR a te AGRADECER por essa!


DOIS
Falando em Tailson. Ele me emprestou uns filmes que eu ‘tava querendo ver fazia uma cara. São eles: Street Fighter Alpha – O Filme, Hulk vs. Thor, Os Esquecidos, Minha Super Ex-Namorada, Pagando Bem, Que Mal Tem? e O Estranho Mundo de Jack (que eu já vi algumas vezes, só peguei pra tirar uma cópia pra mim mesmo!). Eu já vi dois até agora – Street Fighter Alpha – O Filme e o Hulk vs. Thor.
Street Fighter Alpha – O Filme – baseado no jogo homônimo da Capcom Softwarehouse, que também produziu esta animação de 1999, junto com a Maga Vídeo e a Bandai (também uma softwarehouse nipônica mega-fodônica). Direção de Masahiro Hosoda e roteiro de um monte de gente cujos nomes não vou digitar aqui. É praticamente uma hora e meia de filme, mas tem que gostar muito do jogo de origem pra chegar até o final sem ficar completamente entediado. A trilha sonora e a edição gráfica compensam. Resultado final mais ou menos.
Hulk vs. Thor – Mais uma animação da Marvel. Direção de Sam Liu e roteiro de Frank Paur (que também produz a animação) e Craig Kyle. É daquelas historinhas que dá gosto de ver porque não força a inteligência e ainda agrada no final. Odin entra em repouso uma vez por ano e Asgard fica a mercê dos inimigos. Quem vai resolver a pendenga contra quem quer invadir Asgard? Thor. Só que Loki decide conjurar a maior força de destruição em massa de Midgard. Também conhecida como O Incrível Hulk. Só que, como o Banner avisou o deus da trapaça antes de ser morto, o Golias Esmeralda não pode ser controlado. O resto ‘cê vai ter que assistir. Só de ver o Thor apanhando que nem uma puta do Hulk DUAS vezes mais o Hulk tocando o caralho no reino de Hel já vale a parada.

TRÊS
Ontem, além de ter baixado o Isto é Horror Punk Brasil! e mais outras coisas no LabInfo-FALEM, quando cheguei em casa, acabei ouvindo outras coisas muito fodas que também baixei. Os restantes do The Crimson Ghosts (dos quais também falei ontem – Carpe Mortem, de 2006 + Dead Eyes Can See, de 2008 + Generation Gore, de 2010) vou falar em outro post. Ah, tem o novo do Foo Fighters, Wasting Light, do ano corrente. Eu vou ouvir daqui a pouco enquanto começo a fazer termino o trabalho de Frau Steffen pra OPCOA pra sexta próxima e depois comento. Agora é Foo é mais nova banda que tem uma “parede de guitarras”, fazendo um trio com os também estadunidenses do Bad Religion e os ingleses do Iron Maiden: são três guitarristas – Dave Grohl, Chris Shiflett e um dos primórdios da banda – além de ser ex-Nirvana e ex-The GermsPat Smear, que tocou nos dois primeiros álbuns da banda – Foo Fighters, de 1995, e The Colour and the Shape, de 1997.
Agora deixa eu falar dos quais ouvi.
Bloodstains Across Finland – de uma série que descobri um dia desses lá no PunkxHcxOi.Blogspot.com. Obviamente, só com bandas finlandesas e a maioria cantando em seu idioma mater. Pena que deu pau no arquivo .rar e não deu pra tirar todas as músicas, mas gostei do que ouvi. Muito interessante, pra dizer o mínimo.
Bloodstains Across Germany – da mesma série com o mesmo feitio. Deu pra ouvir com mais afinidade devido ter familiaridade ainda que às-três-porradas com o idioma. Também achei no PunkxHcxOi.Blogspot.com. Aprovado.
Setlist e bandas:
01 – Punkenstein – No School
02 – Napalm – Killer Rats
03 – Cretins – Samen Im Darm
04 – ZK – Schwarze Stiefel
05 – Big Balls & the Great White Idiot – Kick Her in the Dirt
06 – Phosphor – Schokoladenwürger
07 – Artless – Donnerwetter
08 – Niveau Null – Schnulze
09 – Male – Planspiel
10 – Soilent Grün – Erwin
11 – Lennons – Fuck
12 – A5 – Repperbahn
13 – Hermann’s Orgie – Wir Gehen Nach Berlin
14 – Razors – Christ Child
15 – KFC – Kriminalpogo
16 – Remo Voor – Toilet Love
17 – SYPH – Moderne Romantik
18 – Marionetz – Wir Sind Marionetz
19 – Middle Class Fantasies – Party in der Gaskammer
20 – Buttocks – Kreatur
21 – Pack – Come on

Volta ao Mundo em Oi! tenta Minutos – Outro achado do PunkxHcxOi.Blogspot.com. Como o próprio título já diz, a volta ao mundo através da Oi! Music. Coisitias muito legais e achei muito foda o que escutei. Não dá pra não escutar e querer formar aquela roda de pogo. Aprovado.
Setlist e bandas:
01 – Anti-Heros – All Hail Santa
02 – Becks Pistols – Pöbel Und Gesocks
03 – Bovver 96 – Mischief Night
04 – Klasse Kriminale – Lungo il Filme
05 – Nabat – Via Da Qui
06 – Oxymoron – The Pigs
07 – Patriotas – São Bento
08 – Red, White & Blue – Working Class
09 – Retaliador – Feel the Power
10 – Ruin Bois – Skinheads
11 – Section 5 – Boot Boys
12 – Skinkorps – Rock’n’Oi!
13 – Skint – Remember the Days
14 – The Business – One Common Voice
15 – The Cho-Zen – Running With The Pack
16 – The Oppressed – Wonderful World
17 – The Skulls – Oi! Oi! Music Forever
18 – Vanilla Muffins – Awakening
19 – Vírus 27 – Grande Poder
20 – West Side Boys – Emeute Urbaine
21 – Zakarrak – Skinhead

Depois de um Longo Inverno – o mais recente do CPM22 depois do quase desapercebido Cidade Cinza, de 2007. Até onde eu sei, eles saíram da major com a qual tinham contrato e este, tal como o debut A Alguns Quilômetros de Lugar Nenhum, de 11 anos atrás, marca a volta da banda aos independentes. O hardcore (?!?) tão presente agora abre imenso espaço tanto ao ska quanto ao rock descompromissado da banda, que agora parece ser rock. Dá pra ouvir todos os instrumentos muito bem e o Badauí (enfim) se conformou com sua voz e deixou de achar que podia cantar mais do que pode, contribuindo de forma impara para o conjunto. Pode até desagradar aos fãs mais puristas, mas tem que se aceitar que os caras cresceram e não quiseram ficar presos somente ao HC (e, sim, tem umas duas canções HC, são legais até) decidindo pegar outras rodovias. Muita gente vai torcer o nariz, mas foda-se. Deu pra ouvir do começo ao fim sem ficar puto, ao contrário do anterior já citado. Passa.
Setlist:
01 – Abominável
02 – Vida ou Morte
03 – O Filme que Eu Nunca Vi
04 – Hospital do Sofredor
05 – Cavaleiro Metal
06 – Quem Sou Eu?!?
07 – Na Medida Certa
08 – Um Pouco de Paciência
09 – Sofridos e Excluídos
10 – Nova Ordem
11 – CPM22
12 – Minoria
13 – Março 76

Pub Songs – a pergunta redundante é: quem lembra do A Arte do Insulto, dos fluminenses do Matanza, de 2006? Em algumas entrevistas, o vocalista Jimmy London diz que pegou muito da pegada irlandesa junto ao hardcore pra poder fazer o terceiro álbum de inéditas da banda. E dá pra sacar isso muitíssimo bem ouvindo este Pub Songs, onde simplesmente NÃO DÁ pra ficar parado. Dá vontade de sair pulando e pogando em TODAS as músicas (e a constante em todas elas são as palavras “mulher”, “festa” e “bebida” nas letras), que possuem o espírito festeiro-biriteiro de qualquer Fianna que se preze. Eu já devo ter ouvido umas quatro vezes seguidas de tão fodástico que é. Altamente aprovado e altamente recomendado.
Setlist e bandas:
01 – Dropkick Murphys – The dirty glass
02 – Flogging Molly – Drunken lullabies
03 – The Bloody Irish Boys – Drunk tonight
04 – The Dubliners – The Irish rover
05 – The Mahones – Drunken lazy bastard
06 – Great Big Sea – Home for a rest
07 – The Pogues – Whiskey you’re the Devil
08 – Blood or Whiskey – Breaking through
09 – The Real McKenzies – Drink the way I do
10 – Dropkick Murphys – Bar room hero
11 – Flogging Molly – May the Living be Dead (In Our Wake)
12 – The Bloody Irish Boys – Enniscorthy in a Bottle
13 – The Tossers – Buckets of beer
14 – The Dubliners – Mountain dew
15 – The Mahones – A Drunken Night in Dublin
16 – Great Big Sea – Lukey
17 – The Pogues – If I should fall from grace with god
18 – Blood or Whiskey – Your majesty
19 – The Real McKenzies – Ye banks and braes
20 – Dropkick Murphys – Worker’s Song
21 – The Tossers – Irish whiskey
22 – Great Big Sea – The Night Pat Murphy Died
23 – The Bloody Irish Boys – Streams of Whiskey
24 – Flogging Molly – The Kilburn Highroad
25 – The Pogues – Fairytale of New York
26 – The Mahones – Paint this town red

Nota: a versão que eu baixei do site tava uma merda, então reformatei toda a merda, recompactei e upei no 4shared. Baixe clicando aqui ó!



Vou ficando por aqui porque são quase onze da noite e ainda tem o capítulo tenso de um livro prum trabalho que tenho que ler pra poder terminar de fazer pr’apresentar sexta próxima!





Up the nerds!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!