sábado, 23 de fevereiro de 2013

LEMBRANDO VELHOS E (NÃO TÃO) BONS TEMPOS

Ouvindo: Neil Young, Praire Wind, de 2005

Duas coisas aconteceram aqui em casa hoje que me abriram o apetite pro post de hoje...



A *primeira*... A Raquel comentou com animal imundo do inferno do neto do namorido da coroa (e mais alguém até, acho que foi com o namorado dela, sei lá, foda-se) de que eu apanhava na escola e ela respondia a onda. É, eu confirmei a história. Eu me fudi mesmo e valendo. PORÉM, isso foi no Ensino Fundamental, sendo que, no Médio, tirei a forra valendo do grau anterior. Bati, zoei, humilhei, empurrei de escada, dei cadeirada, bati com a porta na cara, dei com a cara de nego em parede/porta/viga/telefone, empurrei na frente de ônibus com o sinal aberto, dei voadeira, coloquei fogo em calça ou camisa com a pessoa ainda dentro.
Ou seja, toquei o caralho valendo no Ensino Médio, dei a forra mesmo. Mas foda-se, né? Vai se fuder que eu ia passar o resto da vida apanhando na escola. Não, imensamente grato mas, disso,  eu ‘tô passando. E passei muito bem.
Esse negócio de bullying, pra mim, mesmo terminando uma licenciatura, é coisa de gente fraca. Toquei o terror na cabeça de muita gente (infelizmente não mudei muita coisa, devo dizer) e também fui perseguido valendo. Mas e ai? Sobrevivi e ‘tô aqui. E todo mundo que me zoava ‘taí também, vivendo suas vidas, casados, com filhos, trabalhando, etc. e tal. É por isso que essa mulecada cresce com um monte de merda na cabeça, porque, ó, tem tudo na mão, não sabe conviver com desafio e muito menos fazer as coisas sobre pressão e, por conseguinte, leva o cacau na universidade e além, porque, no Ensino Superior, a maioria esmagadora dos professores só passa a mão na cabeça do individuo pra dar contra uma parede de concreto. Ai, ó, dá no que dá no estágio, no trabalho, no casamento, e ai fode tudo.
Se dependermos dessa geração, ‘tamos perdidos, isso sim.
Mas nada paga a cara da mamãe ao ouvir/saber o que eu fiz no Ensino Médio...
/rindoaltopraporra/


E mudando completamente de assunto.


A *segunda* tem o mesmo animal imundo do inferno “neto”, que, volta e meia, mer pede umas HQs pra ler. É, volta e meia, passo alguma coisa pro maldito dar uma lida. É sempre bom cultivar nova geração de leitores. Acho que foi na segunda ou na terça que passei a graphic novel Magnetar, do Astronauta (que até tenho que falar aqui sobre), escrita e desenhada pelo Danilo Beyruth.
A história de hoje assim foi
[ele] “Rafa, Rafa, tem quadrinho ai?”
[eu] “Só no computador.”
Aí lembrei que tenho umas coisas impressas que são do caralho – Delírios Cotidianos, do Charles “Heinrich Karl Bukowski” Bukowski e do Matthias Schultheiss (falei aqui em Voltando do Buraco [4]), Mr. Natural e Meus Problemas com as Mulheres, do Robert Crumb (idem), e, pra completar um encadernado do Star Wars, com o arco Meu Irmão, Meu Inimigo (roteiro de Rob Williams [Juiz Dredd, Justiceiro MAX: Peguem Castle, Caça-Fantasmas], arte de Brandon Badeaux [Lanterna Verde, Arma X, Super-Homem: Homem de Aço] e Michel Lacombe [One Blood Year, Justiceiro, Warrior Nun Areala] e cores de Wil Glass [The Chronicles of Conan, Buffy the Vampire Slayer] – ver capa abaixo) completo.
E, olha só, o filho da puta não deixa as HQs de lado?!? Caralho, isso me deixou MUITO PUTO!!! COMO O RETARDADO VIRA A CARA PRA BUKOWSKI, CRUMB E STAR WARS?!? Acredito que deve a conversão dele ao protestantismo tenha fundido o cérebro dele pra HQ, só pode.
Não, ‘pera.
O Lucão (Eurico Lucas Cruz Bezerra, da UFPA) é protestante e lê HQ. Então só me resta pensar “WTF porra é essa?”
Até comentei isso com o Master Fyoda (i.e.: Adriano Araujo, do CEFET), e ele até zoou: “Deixa o cara com a nova saga da Marvel dele” (é, deu pra rir). O caso é que, na idade desse puto, eu já lia de tudo um muito. E, como Fyoda e eu concluímos, na nossa época, não tínhamos acesso a internet e esse montão de sites pra baixar não somente HQ de qualidade, mas também música e filme. Tínhamos que ralar bonito, tirar dinheiro donde não tínhamos, gravar e regravar clipe da MTV (época do Disk e do Top 10 ou Top 20), gravar e regravar fitinha de CD e LP emprestado ou na casa do amigo (conheço alguns que gravavam direto na loja na maior e melhor cara de pau do mundo), gravar programa/show/documentário/entrevista, rolava o “comércio ilegal” de HQ, revista pornô e fitinha K7, além dos empréstimos que a emprestava e rezar pra pessoa devolver.
Ou seja, era foda, mas era divertido. Não que agora não seja ótimo ter tudo arquivado em HDs internos ou externos e/ou em CD-R’s e DVD-R’s, baixado de tudo quanto é lugar da net.
Os tempos mudam, não?



Os tempos mudam e eu tenho um caralho de coisas pra ler pra fechar buracos no conteúdo do meu TC’ e só me falta coragem e disposição pra ler e fazer os textos em questão.

E, paralelo a HQ e TCC, comendo com farinha: O Erotismo, do francês Georges Bataille (1897-1962). Tradução de Antonio Carlos Viana. L&PM, 1987, 260 páginas.
(e, sim, essa leitura ‘tá tunando ainda mais minha mente já pervertida!)



Por hoje, é isso.

Bis zu dem breaking fuckin neuen Post!

Um comentário:

  1. Right here is the perfect web site for anyone who would like to find out about this topic.
    You know so much its almost hard to argue with you (not that I really
    will need to…HaHa). You definitely put a new
    spin on a subject that has been discussed for
    many years. Wonderful stuff, just excellent!

    my website: toenail fungus treatment

    ResponderExcluir

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!