segunda-feira, 16 de junho de 2014

poema incompleto encontrado + votos de aniversário!

Ouvindo: Neil Young, Live At Massey Hall 1971, de 2007


ANÁLISE E PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES
[¡interminado!]

SAUDADE e ausência e perda
E tudo isso de uma só vez
Alimentando hidroelétricas e usinas nucleares –
Levantar da cama todo dia!
Sétimo semestre, terceiro ano
Não importam as nomenclaturas e terminologias:
Dois podem não sofrer do mesmo modo
Mas sofrem assim mesmo e ininterruptamente
Seja pelo o que for, seja o que for...!
Pensem em muito, façam e executem mais ainda
Não se permitam pensar
Não se permitam lembrar
Se o tamanho do problema é o tamanho que dão e ele
Tentem fingir EM VÃO que ele não é convosco!
Em vão... não se deteriorar
Em vão... não se atomizar em diferentes velocidades
Em vão...
Mudou tanta coisa; só não imaginamos o quanto
Graxa nas engrenagens, óleo no motor...
Para o bem e par ao mal, mudança de costumes...
Dizes com tanta certeza do que acontecerá conosco e, mais do que principalmente, com Vossa pessoa...
Em queda livre da estação espacial, não consigo através das nuvens e das chamas...
Aquisição e Perda de Liberdade, Aquisição e Perda de Felicidade:
Perder? Deixar de lado? Fingir que NADA ACONTECEU?
Já havia quase me esquecido do quão é frustrante não ter perspectiva estabelecida na graduação que estou cursando
Tentando aceitar que não somente abrirás mão de boa-vontade de Vossa felicidade mas que recusarás a Vossa própria pessoa
Por imposição de terceiros que impões que seres; todavia sem sequer conhecer Vosso coração!
Por favor, poderias Vos fazer o favor de serdes o que quiseres?!?
Sozinha porque queres... Solidão por escolha própria...
Autoimplosão diária, dia seguinte reconstruída...
Porque tão desiguais?
O Sussurro e o Trovejar que chegam ao mesmo resultado
Se somos tão bons juntos, porque nos agradarmos seguindo separados mundo paralelos por nós criados...?
Acredito eu que... Só Vos permitir ser feliz até o ponto que podes ter o controle em Vossas mãos?
Porque quando a reação se instabiliza com a adição de um determinado reagente com o formato de uma oração contendo pronome pessoal, verbo e predicado verbal
Com o “simples” poder... de apagar uma megalópole ou tirar um planeta de sua órbita natural...
Porque... com o simples executar de um simples dizer...
O reator foi perfurado de modo ao reparo ser inexequível...
Acelerar o processo de cada um de nós se guardar em si e tomar seu próprio caminho...!
E agora...? E agora o que fazer com tal sentimento?
Como (com)viver e seguir em frente com tal átomo de Urânio sendo dividido em reação Hahn-Straßmann-Meitner
Indefinida e continuamente e anda manter as estruturas....?
(Con)viver com isso, seguir em frente, passos (não) tão lineares a ponto de marcar concreto e metal...
Mas não... Não a ponto de impedir sentir/ter...
Sentir...
Ter...
Saudades de Vós:
... esparramada em minha como se fosse a Vossa
Ou tão ou mais à vontade quanto na Vossa
E ainda devidamente adormecida;
... profundamente adormecida e entretida no sono das mais belas Princesas
Com a luz do final de tarde iluminando Vossas curvas despidas –
Como se não chovessem Fat Boys e não houvessem crises econômicas,
... de Vossos olhos falando mais que a voz
Mais vivos, gesticulando mais avidamente, prestes a consumir um submarino em chamas...

:: primeiro semestre de 2012 ::


“FELIZ ANIVERSÁRIO!!!” e “MUITAS FARRAS NA VIDA!!!” para: FÁBBIO FARINHA AYRES e PALOMA SILVA DA COSTA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!